domingo, 1 de janeiro de 2012

Rabiscus


Sinto falta dos pequenos gestos
Gestos esses, que eram os mais lindos do mundo


Tinha liberdade
Mas não a vi-a
Tinha amor
Mas não o sentia

Só no crespusculo da minha idade
É que me apercebi, do que estava certo
E do que estava errado
De quem sentia falta
De quem queria ao meu lado

Os dias são estranhos
Longos sem nunca conseguir ver o fim
Enquanto desejo aquele dia
Em que voltes para mim

Lembro-me de ti como eras
Lembro-me do teu sorriso
Lembro-te do teu calor
Lembro-me de ti como se o meu mundo fosse a preto e branco
E tu lhe desses cor

Eras o meu pilar
O meu grande porto de abrigo
Eras o meu refugio
Que nunca me deixou sozinho

Dizer que preciso de ti é pouco
Dizer que te amo não chegava
Queria ter-te aqui comigo
E dizer-to na cara

Que contigo
Não importa mais nada
Que senti não consigo ser o mesmo

Precisdo de ti
Ontem, hoje e amanha

1 comentário: